A gente não pode se tornar verdadeiramente o que a gente quiser?

Vou aproveitar um #tbt do dia que fui princesa para falar sobre uma parte importante da nossa mente.

Pra começar, quero deixar bem claro que essa não foi a fantasia de algum carnaval. Eu realmente me tornei uma princesa nesse dia!

Era a festa de 4 anos da minha afilhadinha e o pedido dela foi para que os padrinhos fossem a princesa e o príncipe da festa. E assim, a mágica aconteceu…

Quando criança, nossa mente é completamente Self 2, que é a parte criativa, livre, expansiva e espontânea, das emoções. É o centro da inconsciência e a nossa melhor parte.

Vamos crescendo e o Self 1 assume o comando. É o nosso lado extremamente racional, crítico, especialista, da aprendizagem técnica. É o centro da consciência e nossa parte cognitiva.

O Self 1 domina quase todo o tempo. Mas é importante caminharmos (ou, de certa forma, retornarmos) na direção do Self 2. Deixá-lo agir cada vez mais.

Isso porque o Self 1 é a memória de curta duração, não guarda por muito tempo o que aprendemos, a menos que seja algo que tenha tocado nossos sentimentos.

Assim, devemos explorar e potencializar o nosso Self 2, criando memórias de longa duração a partir do aprendizado vivenciado, sentido. Esse, sim, é internalizado de forma muito mais profunda e além do que o aspecto cognitivo é capaz.

Vamos deixar nossa criança criativa, espontânea e intuitiva tomar conta da gente… Esse nosso lado é muito poderoso! Pode aumentar dezenas de vezes a nossa capacidade de aprendizagem.

E aí, quem vai dizer que a gente não pode se tornar verdadeiramente o que a gente quiser?

Deixe um comentário