“Crescer dói mesmo! Em qualquer idade…” por Vivian Santos

Eu me lembro de uma época, quando eu era menina, em que eu tinha dores terríveis nas pernas e a minha mãe dizia assim: “ah, minha filha… não liga não, vai passar, é dor de crescimento.” Sábias palavras… Crescer realmente dói, em qualquer idade. Quando a vida nos impulsiona para mudanças, somos confrontados com nossa realidade mais profunda. O caminho de descoberta das nossas imperfeições e das nossas verdadeiras necessidades chega a doer fisicamente, muito mais que as dores nas pernas da infância… E esse processo pode resultar em conflitos imensos, baixa autoestima, culpa, sensação de fracasso se não houver um acolhimento amoroso de nós mesmos.

Tem muita gente que se desilude e até se desespera, numa atitude de questionamento e de dúvida do seu valor pessoal. Passa a desacreditar de si mesmo e das suas capacidades de melhoria, de progresso. A pessoa fica fixa no erro, nas limitações e esquece que estamos todos em processo de aprendizado.

Passar do autoconhecimento para a autotransformação exige esforço e a travessia segura é pela estrada do autoamor. A ação de se amar não é acomodação, é atitude de entender o que precisa ser mudado, acolhendo-se com imenso carinho, paciência e bom senso para alcançar a mudança. Também não é conivência com os próprios erros. É se aceitar sem ficar preso na autopunição, trabalhando com afinco na autoreforma. Conhecer-se ilumina o entendimento, mas somente as atitudes de afeto motivam a renovação.

Amar-se é também perdoar-se e isso é um ato de muita coragem, maturidade e evolução. É só pra quem decide tomar as rédeas da vida e encarar as próprias dificuldades. A culpa, que paralisa, não serve para nada, só para adoecer. Errar, todo mundo erra, agora, saber o que fazer com os erros que cometeu é o que nos diferencia. Se a gente quebrou algo, ficar se lamentando e se culpando não vai fazer colar de novo. É preciso se empenhar na reconstrução. E essa reconstrução só vem a partir da aceitação que o autoamor e o autoperdão requerem.

12 comentários em ““Crescer dói mesmo! Em qualquer idade…” por Vivian Santos”

  1. Tenho aprendido muito com suas postagem .

    Mais atualmente estou tão frustada na minha área profissional insegura que as vezes quero até desistir.

    Responder
    • Oi, Ritielle.
      Realmente, passamos grande parte da nossa vida desempenhando nossas atividades profissionais e, por isso, é muito importante que tenhamos um sentimento de satisfação.
      Se não estamos felizes no nosso trabalho atual, é ótimo quando descobrimos o que poderia nos deixar satisfeitos e ainda encontramos a possibilidade de trocar de emprego ou até mesmo de profissão. Mas e quando nada disso é possível? Será que não podemos encontrar um sentido maior naquilo que já estamos fazendo? Não sei se você assistiu, mas, se não, assiste ao vídeo que eu fiz com o título “Como ser feliz no trabalho.” Acho que pode te ajudar…
      Muito obrigada pela sua participação. Muita luz, muita alegria e muita serenidade na sua vida.

      Responder
    • Sabe, Márcia, eu costumo pensar nesses períodos de transformação como aquelas podas nas plantas, que é algo que se precisa fazer de tempos em tempos. É preciso cortar os galhos e qualquer corte é muito dolorido. Mas é com essa poda que a planta se revigora e torna-se realmente frondosa. Obrigada pela sua participação por aqui. Muitas bênçãos e muitas flores na sua vida.

      Responder

Deixe um comentário